Principais taxas cobradas dentro do comércio internacional



Todo profissional do comércio exterior se depara com diversas taxas, tanto nos processos de importação, quanto nos processos de exportação. Taxas que são cobradas de diversas formas, tendo como base, como por exemplo, as dimensões da carga, tipo do contêiner, peso bruto, o valor aduaneiro, entre outras variáveis. Nesse artigo, descomplicamos algumas taxas que costumam estar presentes nas propostas enviadas pelos agentes de carga dos importador/exportador.


Muitas vezes, as taxas de destino/origem, quando somadas, resultam em valores que superam, até mesmo, o próprio valor do frete internacional. Dessa forma, as taxas acabam incidindo incisivamente no preço de aquisição dos produtos e, consequentemente, no valor do produto destinado ao consumidor final.



Confira abaixo, as principais taxas cobradas dentro do Comércio Exterior:

  • Capatazias (THC) – É a atividade de movimentação de cargas e mercadorias nas instalações portuárias em geral;

  • Liberação de BL (BL Fee) – É a atividade de emitir e liberar o BL original, uma ou mais vias, ao exportador/importador;

  • Gate Fee – É a taxa de recepção das unidades no terminal;

  • ISPS (International Scurity and Port Security) ou TSF (Terminal Security Fee) – É o código internacional de segurança de navios e instalações portuárias, funciona como um controle de acessos e monitoramento e é cobrados pelos terminais e pelas companhias marítimas;

  • Lacre (Seal) – Taxa cobrada pelo fornecimento do Lacre do contêiner ao exportador;

  • ENS / A.M.S / Transmission Fee – Taxa incidida a partir do ato da transmissão dos dados de embarque para alfândega no destino;

  • Damage Protection Surcharge (DPP – Proteção de danos) – É um valor de seguro cobrado por alguns armadores, com coberturas que abrangem avarias, lavagens e qualquer outro dano causado no container;

  • Drop Off – É uma taxa cobrada para utilizar um depot e deixar o container vazio armazenado. Atua de maneira similar a um aluguel pago pelo espaço, de modo que os armadores pagam para os proprietários do depot para manter armazenado o contêiner e carregar e descarregar dos caminhões;

  • PICKUP ou COLETA – É a taxa referente à coleta da carga na planta do Exportador. No caso de embarques FCL EXW, refere-se à retirada do contêiner vazio, envio para a fábrica e transporte do contêiner ovado até o porto.

  • Desconsolidação – É a taxa administrativa cobrada pelo manuseio da documentação na importação;

  • VGM – É a sigla de Verified Gross Mass, cuja tradução é Peso Bruto Verificado. O VGM é o peso total combinado de toda a carga dentro de um contêiner. Isso inclui material de empacotamento e estiva e o peso ‘Tara’ do contêiner.

  • Ad Valorem – É uma taxa cobrada dentro da tabela de fretes que representa o custo do seguro rodoviário nacional da carga. Seu cálculo é feito através da porcentagem da mercadoria sobre o valor da Nota Fiscal da carga transportada agregada ao custo de frete.

Essas foram algumas em meio a uma infinidade de taxas usuais dentro dos processos de logística internacional de modo que cada modalidade de mercadoria e Incoterm, acabam resultando em diferentes taxas. Por isso é de extrema importância sempre estar por dentro do mercado internacional - conte sempre com os conteúdos da Toya para te auxiliar.


14 visualizações0 comentário